domingo, 27 de novembro de 2011

Parece que foi ontem ...

Sábado à tarde, 
um hospital, uma enfermaria
Eu ali, na cama, há três dias, jazia
por uma bolsa d'água rompida antes da hora.

O bebê, que lutava para sobreviver,
aos poucos enfraquecia, 
chegava-lhe cruel, a asfixia
por médicos que forçavam o trabalho de parto acontecer

Nem pai, nem amigo por perto
Só eu e o bebê lutávamos, 
e a Deus, por um milagre rogávamos:
"Senhor, não nos deixe, desta forma, morrer"

Uma onda de ira me invadiu,
e com insuportável indignação declarei:
"Se por negligência meu filho morrer 
com a justiça todo o hospital vai se entender"

Assustados, médicos e enfermeiros me encaminharam à sala de operação.

Mas parece que foi ontem...



Perto das quatro você nasceu, 
cansadíssimo não chorou.
Dizem os  médicos que eu o vi, 
mas o que  me lembro é que desfaleci.
Dali  saiu direto para a UTI 
e eu, imediatamente, não o conheci.

No dia seguinte eu o vi, 
tão lindo, tão perfeito...
O cabelinho negro e escasso, 
hoje densos e fortíssimos cachos, 
só havia na borda da cabeça, 




Pela primeira vez lhe falei: "oi meu Tuchi, é a mamãe!" 
Como um passarinho atento você mexeu a cabeça 
reconhecendo o som que por sete meses escutara
E agradecida sua mãozinha segurei.

Por duas semanas nos encontrávamos 
por trinta preciosos minutos
Um dia finalmente pude ver, 
sem a venda, teus olhinhos puxados.
Lembranças da Ásia  remota 
do meu sangue no teu sangue.
E finalmente te segurei em meus braços, 
e te levei para casa.


Meu Tuchi, meu bebê,
Daniel - Deus que é meu Juiz.
Mas parece que foi ontem...



Hoje foi um dia especial.
Só nosso, de família, de casa, 
Você, eu, teu irmão e nosso melhor amigo.
E você sorriu, brincou, se alegrou!
Que adulto bonito você se tornou!
E quanto eu amo você!

Filho,
Vasco x Fluminense terminou agora 
E para sua completa euforia, teu time teve vitória.
Ao te ver desatinado de alegria, 
me sinto tão feliz ...
Nem ligo que foi o meu time que perdeu!

"Tchau mãe!" 
A porta da sala bateu
 e você correu para a igreja mais uma vez. 

Quantas vezes ouvi essa frase nestes 18 anos hein?
Tua vida, filho, é sinal da fidelidade de Deus
e de gratidão enche meu coração,
Pela promessa
Pela vida
Pela proteção
Pela provisão
Pelo que você tem sido até aqui
Por aquilo que você é agora
Por aquilo que você ainda será

E eu aqui continuo escrevendo este poema,
tentando focar as letras quando as lágrimas permitem,
não acreditando que o tempo passou,
Pois parece que foi ontem e eu te amo ainda mais.

Meu beijo mais carinhoso para você.

Mamãe.

Para meu primogênito Daniel, 
pelo seu aniversário de 18 anos, 
hoje, 27 de Novembro de 2011

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Livra-me do mal

Quando astúcia humana eu perceber
Quando o discernimento vacilar
Quando a dúvida sobre mim abater
Pai, livra-me do mal!

Quando o perigo às portas rondar
Quando o desafeto acontecer
Quando o a perspicácia falhar
Pai, livra-me do mal!

Quando o coração apertar
Quando a tristeza sufocar
Quando a saudade machucar
Pai, livra-me do mal!

Cada passo meu Te entrego
Pois és  dono do caminho
Absorta em Teus braços me largo
Pois por mim Tu tens carinho
Tu me guardas de cair, 
e até mesmo de tropeçar.
Criança pequena eu sou
carente do Teu amor
careço de Tua proteção sem igual.
Por isso, Pai, livra-me do mal!