terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Olha ele aí, chegando e sentindo-se animado!

Gente querida,

2014 está às portas, coisa de horas e teremos virado mais um ano. E por que? Porque Deus foi bondoso conosco mais uma vez, sua misericórdia se renovou sobre a humanidade a cada nascer do sol, Ele nos concedeu mais um dia de vida até aqui, e se chegarmos vivos em 01 de janeiro de 2014 significa que Ele nos concedeu um ano inteiro de vida. Se um dia de vida e de fôlego para viver é motivo de gratidão, 365 dias do ano são 365 motivos de gratidão, e isso é motivo para nos sentirmos animados para 2014. Para os que não puderam viver até aqui, também significa que a misericórdia dEle, o único que pode acrescentar dias à nossa existência, também foi suficiente para poupar estas pessoas de dores maiores que viriam pela frente.

Para aqueles que tiveram um 2013 indescritível de complicado, como o meu: "Levanta-te e resplandece porque já vem a sua luz e a glória do Senhor já brilha sobre ti".

Para os que estão vivendo momento de dor e de perda, e esta transição de ano vai passar amarga porque o nó na garganta não quer desatar antes do romper da aurora do novo ano, lembro a você: "O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã".

Para aqueles que "perderam o chão" no fim do ano e nem sabe como vão começar 2014 porque sua estabilidade financeira, profissional, emocional, orgânica e social lhe foi tirada de repente, reservei este aqui: "Quero trazer a memória aquilo que me dá esperança".

Podem parecer jargões. Mas todos os três textos sob aspas estão escritos na Bíblia Hebraica, o AT dos cristãos e a TANAKH dos judeus. Este é um blog para Reler a Bíblia, encerrar o ano sem reler estes textos seria uma profanação. Eu usei cada um deles nos 365 dias de 2013 pois também passei por complicações, perdas e puxadas de tapete que quase me tiraram a a fé nas pessoas e a confiança no ser humano.

Foram estes textos me mantiveram de pé e me fazem entrar 2014 muito animada, lembrando que Deus continua investindo confiança em nós, a cada nascer do sol quando sua misericórdia se renova.

Ainda não sei muito bem com o que estou tão animada já que o apagar das luzes do meu 2013 foi bombástico no sentido de decepções, mas continuar vivendo e com possibilidades de criar coisas novas, já é suficiente para me manter nesta animação. Na verdade estou mais que animada, estou EUFÓRICA, como poucas vezes me senti. Então, que você entre 2014 assim:

SENTINDO-SE ANIMADO!


quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

A Palavra Encarnada - luz que vive em mim. (Translation to English below)

Oi Gente!

Eu imaginei que tendo vivido um período sabático de agosto de 2012 até maio de 2013 eu teria mais tempo para deixar reflexões relevantes por aqui. Mas acabou acontecendo o contrário. Foi um ano de reflexões tão densas e profundas, para dentro  e para fora de mim que não dou conta de compartilhar tudo que pensei que deixaria por aqui. Todavia posso dizer que o produto deste ano foi uma Lília duplamente mais sensível, mais frágil, mais consciente e ainda mais esforçada em acertar e fazer o bem aos outros. Errando muitas vezes, mas é bom saber que estou tentando acertar enquanto erro.

Natal está chegando, e quando ele chega eu me lembro de algumas coisas que me alegram muito nesta época. A primeira delas é a Bíblia, a luz para o meu caminho, a lâmpada para os pés. Depois vou postar aqui alguns artigos sobre ela que tenho escrito para a revista Elos, pois  sei que a maioria de vocês não tem acessoa eles. A segunda coisa são as luzes do Chanuka, que faz bater mais forte esse lado meio judaico que tenho.

A terceira coisa é a mais importante: o advento de Cristo. Quando paro para pensar na encarnação do Verbo eu descubro que minha vida na Terra não teria sentido nenhum se não fosse este evento na história da humanidade. Na paráfrase de Eugene Petersen:

"A Palavra tornou-se carne e sangue, e veio viver perto de nós. Nós vimos a glória com nossos olhos, uma glória única: o Filho é como o Pai, sempre generoso, autêntico do início ao fim... Ninguém jamais viu Deus, no máximo fora um vislulmbre. Foi, então, que essa Expressão única de Deus, que existe no próprio coração do Pai, se revelou, com a clareza do dia" (Jo 1.14-18)

Essa Luz maior que tudo - A Palavra encarnada - trouxe brilho para minha vida e sentido a tudo que vivencio. É para Ela que dedico esta canção, que mistura tão bem esse meu lado judaico-cristão. Em um natal passado eu já tinha compartilhado aqui, na versão da Enya, mas agora segue com um arranjo diferente e ainda mais lindo.

Feliz Natal a todos!
---------------
Word made Flesh, Light that lives in me

Hi everyone!

I guessed  during my sabathical time (08/2012-05/2013) I should have more time to write relevant reflections  here, but it happened the oposite. 2013 was an year full of deep and dense reflections, to inside and to outside myself, I have no emotional energy to share all the things that I imagined to share with you in this blog. The result of this year was a Lilia most sensitive, fragil, aware and maker of efforts to do right things, ansious to do godness to all other people. Many times making mistakes, but I find confort to know that while I wrong, I'm in the effort to do right.

Christmas arrived, and while arrives, I remember things that makes me happy during this season. The first one is the Bible, lamp to my feet, light to my path. The second one are the light of Chanuka, that does beat stronger this jewish-christian nature that I have.

The third one is the most important. Christ's Advent! When I stop to think in the Incarnation I found sense for my whole life. My life in the Earth shouldn't have any sense if was not this event on Humanity History.

On the Eugene Petersen paraphrasis: The word became blod and flesh, and came to live near of us. We saw the glory with our eyes, the only one glory: the Son is like the Father, always generous, authentic, from begining to end... Nobody ever saw God, we saw a shimmer. So, this only one Expression of God, that exist on the Father's heart, became revealed, as the light of the day (John 1,14-18)

This Light, greater than all, the Word made Flesh, brought bright to my life, and meaning to everything that I live. To The Light I dedicate this song, that mixed so well my jewish-christian nature.  Every Christmas this song speakes so louder in my heart. I had shared years before performed by Enya, now you have a different musical arrangement, more like my inner heart in 2013's end.

Merry Christmas to you!


sábado, 28 de setembro de 2013

Um tempo para...

Em 2010 eu e o André Coelho criamos um curso que mudou minha vida para sempre: Igreja, Cultura e Pós-Modernidade. Nossa primeira turma foi na Igreja Batista Itacuruça e depois fiz outras duas turmas na Igreja do Recreio.  No sarau de formatura da turma de 2012 eu escrevi um poema, Achada, ele está publicado aqui (11/2012)

Desta vez, enquanto cada um ia se apresentando no sarau, falando daquilo que aprendeu com Deus durante nosso curso, fui compondo um Eclesiastes 3 do nosso jeito, do jeito da nossa classe. O Luiz Felipe cantou com uma voz maravilhosa uma música que marcou nossa classe desde os primeiros dias de aula. Ela segue com o clip aqui no final.

O album de fotos do sarau está no Facebook, aqui está a crônica do nosso dia.


Um tempo para...

Para tudo está determinado
e um tempo há para toda alegria debaixo do céu.

Para Isabel:
Um tempo para curar, um tempo para parar
Um tempo aprender.
Um tempo para estar mais próxima de Deus.

Para Lilian:
Um tempo para buscar, um tempo para priorizar.
Um tempo para recomeçar, um tempo para ponderar.
Um tempo para empreender para diferença fazer.

Para Elisabete (Pinto):
Um tempo para digerir (Pv 2,3-10), um tempo para discernir.
Um tempo para processar.
Um tempo para tomar um chá, tempo para confraternizar.
Um  tempo para saber, um tempo para ser sensata.
Um tempo para serenar na complexidade da vida.

Para Cristiane:
Um tempo para ser sensível, um tempo para ser simples.
Um tempo para conceber, um tempo para engravidar.
Um tempo de crescer.

Para Elizabeth (Alves):
Um tempo para as letras, um tempo para a Bíblia.
Um tempo para ser instrumento,
Tempo para aprender a ler, 
Aprender a ler pessoas enquanto compartilha as palavras.

Para Marlene:
Um tempo para parar.
Um tempo para estar presente, outro para se ausentar.
Um tempo para estar presente com o Senhor.

Para Edson Costa:
Um tempo para ser irmão, um tempo para paz, um tempo para ouvir.
Um tempo para ser cristão relevante, um tempo de incomodar as trevas.
Um tempo para não ter todas as respostas.
Um tempo para se conhecer Deus no deserto. Um tempo para crer.
Um tempo para reconhecer Deus acima da sua história.
Um tempo para se encantar com a personalidade de Jesus.
Um tempo para escrever o que aprendido.

Para Marlison: 
Um tempo de ser ovelha, tempo de ser pastoreado.
Tempo de ouvir para sentir.
Tempo de ser cuidado.
Tempo de ser igreja de um jeito delicado.

Para Leonardo:
Um tempo para  contemplar, um tempo para cantar.
Um tempo para fazer música e um tempo para a desfrutar.

Para Dulcilene:
Um tempo para entender sinais.
Um tempo, um encantamento, uma entrega, um ministério.
Um tempo uma dor, uma crise, uma separação, uma solidão.
Um tempo para reaprender, um tempo para expectativas
Um tempo para a esperança.
Para discernir as estações da vida.

Para Claudio:
Um tempo, descobrir  identidade, um tempo para profundidade.
Um tempo, ter empatia, um tempo para relacionamento.
Um tempo,  incluir, um tempo para cuidar.
Um tempo para observar vida brotando  da morte.
Um tempo para frutificar.

Para Ana Eliete:
Um tempo para chorar, um tempo para sentir.
Um tempo para expressar o sentido.
Um tempo para confrontar as feridas da alma.
Um tempo para ser solidária.

Para Ana Lígia:
Um tempo para simplificar Jesus.
Um tempo para se ver no espelho.
Um tempo para notar as pequenas criaturas de um Grande Deus.
Um tempo para conhecer um Deus que nos contempla.

Para Tássia:
Um tempo, ecoar; um tempo sintetizar.
Um tempo para conciliar sua história com sua fé.
Um tempo para se retirar, um tempo para enxergar
A mão de Deus agindo em sua história.

Para Roberta:
Um tempo para fazer um pudim, um tempo para cozinhar.
Um tempo para elaborar receitas, um tempo para errar.
Um tempo para identificar o erro, um tempo para refazer.
Um tempo para persistir até chegar no ponto.
Um tempo para ouvir a Palavra que diz:
"o Pai dá vida a quem Ele quer dar"
Um tempo para admirar o simples que Deus te dá.

Para Lucia:
Um tempo para nova chance, um tempo para assimilar.
Um tempo para libertar a mente, um tempo para estar pronta.
Um tempo para processar.

Para Bruno:
Um tempo, enfrentar a tormenta, um tempo voar.
Um tempo, superar a tempestade, um tempo buscar o sol.
Um tempo para escolher entre viver e morrer.
Um tempo para renovar suas partes vitais.

Para Beatriz:
Um tempo para azeitar, tempo para ser ungida.
Um tempo para olhar o outro de uma forma diferente.
Um tempo, ser trazida.
Um tempo, trazer.

Para Daniel:
Um tempo para conviver, um tempo para preparar.
Um tempo, quebrar paradigmas.
Um tempo para entender seu novo papel.

Para Luiz Felipe:
Um tempo para entender. 
Um tempo para não entender.
Um tempo para quebrar paradigmas.
Um tempo para mudar seu conceito de fé,
mesmo sem entender.



Para mim, 
Um tempo para ser atraída ao deserto.
Um tempo para ouvir Deus no coração.
Um tempo para experimentar fartura na escassez.
Um tempo para ver Deus sonhar por mim.
Um tempo para reaprender a sonhar.
Um tempo para descansar.
Um tempo para recuperar forças.
Um tempo para se preparar para a abundância.
Um tempo para recuperar o que foi perdido.
Um tempo para discernir o intento de Deus.
Um tempo para voltar a ser menina.


Que seja para todos nós um tempo para...

... praticar o aprendido.

Obrigada, turma de 2013, por fazerem parte da minha vida nesse tempo tão especial!
Deus abençoe vocês.

quinta-feira, 14 de março de 2013

A Eagle Gestão de Ensino mudou de endereço!

Ficaremos felizes em receber você 
na nossa "nova casa"

http://www.eaglegestao.com.br



Pós-Graduação em Literatura Bíblica
Nova turma em abril de 2013.
Matricule-se já!


Hermenêutica mulheril - pelo Dia Internacional da Mulher 2013

Hermenêutica feminista ou feminina? Acho que a feminina é mais eficiente, mais fascinante, até porque sem ela não haveria interpretação feminista.

Não gosto do "ista" porque me lembra exclusivista e um mundo só de mulheres seria insuportável ;-). Só podemos ser mulheres porque os homens são homens e o que nos faz tão diferentes, tão perspicazes, tão intuitivas, tão especiais, é justamente o fato de que eles são homens! A identidade de gênero é algo fantástico, mas temos que admitir, ser mulher é algo divino!

Talvez por isso nossa hermenêutica flua como água, com tanta abundância e para tantas direções. Todas elas lindas e tremendamente fascinantes. Algumas como riacho em declive, pedregoso, formam grandes e velozes corredeiras. Há aquelas que são águas serenas, que calmamente vão passando e abastecendo as vilas, as pessoas, as plantações. Outras, qual cascata furiosa, descem de maneira impetuosa e completamente incontrolável, como as cataratas do Iguaçu. Ninguém segura a força de uma cascata assim. Mas há aquelas hermenêuticas doces e serenas, que não sentem tanta necessidade de exercer força no curso das águas, simplesmente vão fluindo... Se contentam em ser o poço que recebe a água e por um tempo a armazenam, mas sempre com água renovada, profunda, gostosa de se banhar, de brincar, de rir, de se divertir.

Eis a diversidade da hermenêutica feminina. Com força, com utilidade, com prazer, com lazer. Parece Deus, na sua infinita e multiforme sabedoria...

A todas as mulheres que vivem, que amam, que interpretam o texto bíblico, seja como cachoeiras, como corredeiras, como rios perenes ou como poços de cascatas, bendita a hermenêutica de vocês! E também os homens e à mulher genética e cientificamente comprovada que existe nos cromossomas de vocês e também as que lhes deram à luz!

sábado, 16 de fevereiro de 2013

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Mais

Te quero mais
Amar-Te mais
Sentir-Te mais
Perceber-Te mais
Discernir-Te mais
Dobradamente
Triplicadamente
Mais atenta
Mais serena
Mais sensível
Mais sábia
Mais sóbria

Do Teu Espírito mais cheia
Do Pai mais filha
De Ti,  meu amado Jesus,
Mais irmã.

(Em silêncio: 29/01/2013)


quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Sacrificando meu Isaque

Myrtes Matias foi tão densa, intensa e fiel ao coração de uma mulher que teme demais a Deus para se aliançar com pessoas que possam afastar-lhe dele que eu não tenho uma vírgula para tirar nem por neste poema. Eu simplesmente me curvo em reverência a densidade de sua verdade e ao coração partido da poetisa que o escreveu porque eu conheço bem esta dor. Trouxe para cá porque estou retirando do FB.  E como disse lá: já subi este Moriá tantas vezes que minhas pernas vão sozinhas pois sabem o caminho de cor.


SUBINDO AO MORIÁ
Myrtes Mathias

Eu queria tanto que quando o amor chegasse
Fosse um sentimento lindo,
Que nos permitisse seguir sorrindo,
De mãos dadas, em direção do céu.
Sei que fostes testemunha Senhor,
da minha luta contra qualquer sentimento
que viesse me afastar de Ti.

No entanto, aconteceu.
E já não é um simples caso de opção:
É uma batalha!

Se me chamas, Senhor,
Por que não também a ele?
Minha causa entrego aos cuidados Teus:
Sou frágil demais para decidir
Entre o amor de homem
E a sedução de um Deus.

Tu que me amaste a ponto de morrer por mim,
Que me elevaste ao posto de representante Tua;
Tu, para quem o futuro é um eterno presente,
Vê, julga e decide, não me obrigues a escolher.

Um Senhor jamais consulta a vontade de uma escrava,
Apenas estende a mão e ordena:
Vai _ Vem _ Faze.
Age comigo assim.

Mas já que vês o que vai dentro de mim,
Se me queres distante daquele que me quer,
Por piedade, lembra-Te que sou mulher:
Liberta-se, mas de forma
Que não venha a sofrer demais.

Não sei como isto pode ser feito,
Se ninguém consegue perder uma parte
De si mesmo sem quase enlouquecer de dor.
Por isso apelo ao Teu poder, Senhor.

Se o abandono, o meu caminho se cobrirá
De lágrimas e saudade.
Se fujo à Tua ordem e o aceito e o acompanho,
Jamais serei feliz, porque ninguém Te desobedece
Sem pagar o preço.

Não apelo à Tua justiça, porque nada mereço:
À Tua misericórdia entrego o meu problema.

“Obedecer é melhor do que sacrificar”
É um bonito tema,
Mas, quando a obediência envolve um sacrifício,
Que é preciso fazer?
Se pudesse unir ao meu amor o Teu querer,
Minha paixão ao dever...

Mas se esta não é a Tua vontade,
Eis-me aqui a subir o Moriá,
Trazendo como lenha os meus sonhos de moça,
Como holocausto, o meu pobre amor,
Como esperança _ “O Senhor proverá”.

Cada momento que passa
A escolha se faz mais difícil.
Se tem que haver uma ferida,
Que seja feita agora, que seja Tu o Autor,
Porque só Tu tens o poder de fechá-la
Com o Teu cuidado, com o Teu amor.

É difícil subir ao Getsêmane, para tomar o cálice,
Não é fácil subir o monte, para sacrificar:
posso sentir agora a profundidade
Do “seja feita a Tua vontade”
ao depor meu coração em Teu altar.

Aceita-o Senhor, e faze-me uma bênção,
Um caminho para a Tua luz:
Que minha dor ajude aos que esperam em mim,
Aos que depositam em mim confiança e amor
Que a renúncia tenha como fim
Trazer muitas vidas aos Teus pés, Jesus.



segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Descanso, silêncio e sussurro


Sempre fui questionadora. Ultimamente ando mais. Nos meus últimos três anos um dos meus mais sérios questionamentos tem versado sobre o MANDAMENTO DO DESCANSO. Os cristãos, em especial os evangélicos, sofrem de ativismo compulsivo. Eles acham que trabalhando incessantemente e sem descansar estão agradando a Deus. Vivem como se fosse pecado parar, repousar, cessar a atividade. Obrigamos nosso corpo (o Templo do Espírito Santo) a viver um ritmo para o qual Deus não o criou. Ficamos doentes, nosso sono se agita, as doenças psicossomáticas invadem o Templo, perdemos o discernimento e oferecemos a Deus um coração ardente revestido de um corpo arrebentado, mal cuidado, maltratado, desgastado, irritado, saturado.  O mais difícil é convencer um cristão fervoroso de que isso  não é oferta de primícia como ele pensa, ao contrário, é oferta de quinta categoria..

O ser humano entra em atividade frenética, num ritmo de locomotiva desembestada, suicida, porque tem medo de parar. Tem medo de ficar em silêncio, de ouvir o som do próprio pensamento. Não por acaso há tantos cristãos que reclamam não ouvir a voz de Deus. Sem orientação direta de Deus, fazem uso de mulheres e homens de oração aqui e ali, como se o poder que flui da vida desses santos homens e mulheres de Deus fosse maior do que o poder do próprio Deus. Houve uma época ( mais de 20 anos atrás) que eu também buscava profetas, mas depois que discerni a terna e doce voz do meu Senhor enchendo o Templo, nunca mais eu quis saber de profetas.

Ouvir a voz dele me leva para um jardim de paz e segurança, com grama verdinha, céu azul brilhante e nuvens de algodão. Não tem coisa nesta Terra que se compare a ser conduzida para este recanto de paz,onde a voz dEle me leva. Aquela voz ...  não é bem uma "voz", é um cochicho suave, claro e gentil, um sussurro amoroso por mais dura que seja a verdade que me comunique. Eu sei que é Ele porque nada me traz tamanha paz. Mas para ouvir esse sussurro eu tenho que aprender a silenciar. E para aprender a silenciar, sou obrigada  a pausar. Ele é muito cavalheiro e não fala enquanto estou agitada. Espera que eu sossegue para ouvi-lo. É por isso que eu adoro parar. Sempre que  silencio eu escuto aquele sussurro cheio de ternura, interessado no meu bem e na minha alegria falando comigo outra vez.

Uma pena que tem gente que não consegue parar. Parar lhes é  angustiante. Quando se para, fica-se obrigado a refletir na própria vida, no rumo que estamos tomando. Para muita gente isso é simplesmente apavorante.  Nessa vida de espiritualidade contemplativa uma das coisas que tenho aprendido e aperfeiçoado é dedicar o descanso como oferta ao Senhor. O dia do Senhor para o meu Senhor. No último ano e meio passo o domingo inteiro nos "átrios dEle", não trabalhando, mas ficando sozinha com Ele. Gosto da igreja cheia, mas prefiro mil vezes o tabernáculo vazio, onde só eu e Ele conversamos.

Ontem, domingo, escrevi esta "poesia" para celebrar estes doces momentos de intimidade.
Desfrute!

Acordo ansiosa, eufórica: é domingo!
Vou passar o dia inteiro com Jesus.
Chego ao tabernáculo
e me apresento para o serviço
cantando, ensinando ou orando.

Após o culto matinal me alimento.
Rejeito convites de amigos.
Tu és mais importante.
Conversar com eles me tira tempo contigo.

Desligo telefone e internet.
Simplesmente desconecto.
Ninguém vai interromper nosso momento.
e conversamos durante o almoço.

Depois do almoço procuro um canto sossegado.
Me acompanham músicas e a Bíblia.
Às vezes a agenda com tuas últimas orientações.

Gratidão invade minha alma e começo a chorar
Reconheço teu cuidado, teu fôlego que me sustenta,
e tua misericórdia que se renovou sobre mim 
quando o dia alvoreceu.
Começo a ler Tua Palavra e 
Tuas declarações de amor me saltam os olhos.

Me aconchego no Teu sussurro
Lembro nossas conversas recentes
Me emociono de novo.
Recordar-te me traz calor.
Sou abraçada pela Tua graça
Embalada pela Tua ternura.
Em silêncio desfruto Tua visitação.
Meu coração, em reverência
quase nem ousa bater.


Sinto o sono do bebê ninado
Por ti beijado e acariciado.
Adormeço suavemente.
Lá bem longe escuto a canção
que me conduziu para tão perto de ti.

Meu dia é todo teu.
Mas esta é a hora de dormir no teu peito.
Um tempo depois Tu me despertas. 
Novamente é tempo de servir.
Sinto-me completamente abastecida.
Uma restauração sobrenatural possuiu meu corpo.
Uma energia vibrante me ocupa o coração.
A noite chegou, é tempo de celebração.

O culto acabou, que pena.
Já sinto saudade da tarde gostosa
Do nosso tempo exclusivo.
De tua companhia adorável
De tua visitação inconfundível.

Meu descanso é teu, somente teu.
E quando durmo ninada por Ti
todo o cansaço sai  
toda tristeza se vai.


sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Josiane

Ah, menina!
Teu olhar tristonho,
tua barriga inchada,
teu cabelo troncho,
tua roupa suja,
pedindo um sorvete,
ali ao meu lado, 
me fez chorar o coração

Ah, menina!
Tua fome de afeto,
tua pergunta pela batata,
tua decepção com o preço,
tua vergonha de si,
tua certeza de não ser nada,
ali ao meu lado,
arrebentou meu coração.

Ah, menina!
Tu pagaste teu sorvete,
e eu paguei tua batata, 
para te reter por um minuto,
e te olhar nos olhos
mostrando a ternura do Cristo
que um dia ficou ao meu lado,
e me curou o coração.

No balcão daquele fastfood
Minhas entranhas se contorceram
Era Cristo amando você.
Josiane, não use mais crack,
Deus quer lhe fazer feliz.
Vem para minha tribo!
A gente vai cuidar de você.

Toma aqui sua batata,
mas cuidado com a gordura,
seu estômago não está forte.
Se precisar de nossa ajuda,
já sabe onde  encontrar.


Dedicado à Josiane, uma menina da rua, aqui na Tijuca, 
uns 15 anos de idade, que arrebentou meu coração hoje na hora do almoço.
Como eu quis abraçá-la e levá-la embora comigo!
Acariciar aquele cabelo desgrenhado e aquele rosto marcado de dor.
Se eu pudesse teria transformado a vida dela naquele instante.
Mas Deus respeita o livre arbítrio do ser humano.
A iniciativa da cruz ele já fez, a humildade de receber este amor,
tem que ser do ser humano.
Dei o endereço e pedi:  "não fuma mais crack, ele está destruindo você.
Deus te ama tanto e quer tanto te fazer feliz! A gente pode ajudar você!"
Ela assentiu com a cabeça, me deu um sorriso tristonho,
como quem recebe atenção de alguém pela primeira vez na vida,
agradeceu pela batata e falou: "tá bom tia, obrigada tia."
Espero encontrá-la na Cristolândia em breve.
Mas como dormir sem ver aquele rosto todas as noites enquanto isso?
Senhor, venha o Teu Reino!
As entranhas não aguentam mais de tanto gemer.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Querer te amar

Ganhei essa música da Bia Pimentinha (Pimentel).
Carol Gualberto - Querer Te Amar.
Poesia lindíssima, que expressa um tanto do mundo de emoções e aspirações espirituais que tenho com meu Jesus. Se você quer saber o que acontece nos meus retiros, tá aqui, compartilho.



Quero a simplicidade do café com pão
Quero a sinceridade do sim, sim, não, não
Quero a pedagogia de querer crescer
Quero a filosofia de saber viver

Quero a facilidade de deitar, dormir
Quero integridade de não me omitir
Quero a gastronomia de experimentar
Quero teologia que me faz sangrar

Com os olhos marejados de espanto 
no meu canto de silêncio e adoração
ao saber que a vida é tanto, tanto,contemplação!
Misterio do milagre do Cristo
Que eu resisto que eu insisto em não imitar
É por isso que eu quero a graça de querer Te amar

Quero a generosidade de estender a mão
Quero a criatividade de fazer canção
Quero a sabedoria de me conhecer
Quero a Tua companhia quando entardecer

Quero aquela empatia de saber ouvir
Quero a boa terapia de morrer de rir
Quero a felicidade de me contentar
Quero a espiritualidade de me aquietar

Com os olhos marejados de espanto...

Santuário

O respirar da tua graça
Me invade com imagem dos teus olhos, Jesus
Meu corpo, teu santuário,
limpo está para tua visitação.
Inspirado teu sopro 
nada faço em minhas entranhas 
além de suspirar tua essência
divina, linda e graciosa,
que me preenche de paz e serenidade,
e da confiança que tua mão segura me traz.
Na Rocha me escondo e sou,
Jesus, novamente tua.


sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Dois Haikais: Desabrochar e Exuberância

Desabrochar:

A roda da vida girou.
Flor - brotou, botão - abriu, perfume - exalou, em volta encantou.
Só - ficou, envelheceu - murchou, caiu - morreu.

Exuberância:

Água passou, semente levou.
No solo agarrou, morreu; brotou floresceu, em volta encantou.
Perfume voltou e na memória ficou.

Imagem royalty-free: Close up of yellow flower 
A vida é um constante desabrochar.
Que perfume exalamos para os que passeiam entre nós? 
Estamos marcando esta passagem pela ternura do florescer?
Qual é a exuberância do meu desabrochar?
Será esquecido ou na memória ficará?