sexta-feira, 6 de maio de 2011

Cotidiano

Pela manhã, fui mãe:
Cuidei, zelei, alimentei, defendi, 
ri com os filhos, e muito. 
À tarde, fui viajante:
A pé, de metrô, de trem ... 
cruzei duas cidades e depois voltei.
No entardecer, fui empresária:
Debati, captei, interagi, elaborei ... 
um projeto empolgante está a caminho.
No regresso, fui pesquisadora:
Li, refleti, elaborei e cheguei... 
À minha estação, 
ao meu bairro, 
à lanchonete da esquina
à minha rua, 
à minha casa, 
ao meu escritório.
- Oi, PC, você nem me viu hoje, não é?
Trabalhei aqui mais um pouquinho
e foi assim que esse texto nasceu.

O dia começou às seis
e meia-noite terminou minha jornada.
É sempre assim.
E mesmo com a falta de dinheiro,
quem disse que não dá pra ser feliz?